Pesquisar neste blog

Comunicado

Comunico a todos que tiverem interesse de compartilhar meus artigos, textos, ensaios, monografias, etc., por favor, coloquem as devidas referências e a fonte de origem do material usado. Caso contrário, você estará cometendo plágio ou uso não autorizado de produção científica, o que consiste em crime de acordo com a Lei 9.610/98.

Desde já deixo esse alerta, pois embora o meu blog seja de acesso livre e gratuito, o material aqui postado pode ser compartilhado, copiado, impresso, etc., mas desde que seja devidamente dentro da lei.

Atenciosamente
Leandro Vilar

domingo, 13 de dezembro de 2009

O Juramento de Hipócrates

Hipócrates de Cós (460-377 a.C) médico grego consagrado como o "Pai da Medicina Ocidental", deixou uma vasta compilação de anotações e pesquisas sobre seus trabalhos no estudo de doenças, a interferência de fatores externos como a qualidade do ar, da água e da comida, como fatores que causavam males aos seres humanos. No entanto o famoso Juramento de Hipócrates, juramento prestado por todos os médicos na atualidade, não necessariamente teria sido escrito pelo próprio. Ainda hoje não se tem a garantia que fora realmente Hipócrates que escrevera tal juramento. No entanto ele se perpetuou como sendo de sua autoria.


O Juramento de Hipócrates

Eu juro, por Apolo, médico, por Asclépio, Higia e Panacea e por todos os deuses e deusas, a quem conclamo como minhas testemunhas, juro cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue: estimar, tanto quanto a meus pais, aquele que me ensinou esta arte; fazer vida comum e, se necessário for, com ele partilhar meus bens; ter seus filhos por meus próprios irmãos; ensinar-lhes esta arte, se eles tiverem necessidade de aprendê-la, sem remuneração e nem compromisso escrito; fazer participar dos preceitos, das lições e de todo o resto do ensino, meus filhos, os de meu mestre e os discípulos inscritos segundo os regulamentos da profissão, porém, só a estes.

Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém. A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda. Do mesmo modo não darei a nenhuma mulher uma substância abortiva.

Conservarei imaculada minha vida e minha arte.

Não praticarei a talha, mesmo sobre um calculoso confirmado; deixarei essa operação aos práticos que disso cuidam.

Em toda a casa, aí entrarei para o bem dos doentes, mantendo-me longe de todo o dano voluntário e de toda a sedução sobretudo longe dos prazeres do amor, com as mulheres ou com os homens livres ou escravizados.

Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto.

Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, o contrário aconteça.


NOTA: Apolo foi um dos deuses gregos que mais possuiu atribuições a sua pessoa. Era cultuado como o deus do sol, da música, das artes, da clarividência (Oráculo de Delfos), da verdade, da luz, da purificação e até da medicina.

NOTA 2: Asclépio fora um dos filhos de Apolo. Era consagrado como o deus da medicina. Higia, era filha de Asclépio, deusa da saúde e da limpeza. E Panacea fora outra filha de Asclépio, a qual é a deusa da cura.

NOTA 3: Hipócrates também teria sido líder da Escola de Medicina de Cós.



Um comentário: