Pesquisar neste blog

Comunicado

Comunico a todos que tiverem interesse de compartilhar meus artigos, textos, ensaios, monografias, etc., por favor, coloquem as devidas referências e a fonte de origem do material usado. Caso contrário, você estará cometendo plágio ou uso não autorizado de produção científica, o que consiste em crime de acordo com a Lei 9.610/98.

Desde já deixo esse alerta, pois embora o meu blog seja de acesso livre e gratuito, o material aqui postado pode ser compartilhado, copiado, impresso, etc., mas desde que seja devidamente dentro da lei.

Atenciosamente
Leandro Vilar

quinta-feira, 1 de julho de 2010

A Gazeta do Rio de Janeiro

Antes da chegada da Família Real Portuguesa ao Rio de Janeiro em 1808. Na colônia do Brasil não existia imprensa, e era proibido a impressão de qualquer tipo de documento escrito. Sendo assim, os livros e outros documentos que aqui chegavam vinha da própria metrópole. Com a estabilização da Corte portuguesa nas terras cariocas, D. João VI a pequena cidade teve que empregar uma série de medidas para transformarcolônia de São Sebastião do Rio de Janeiro, numa cidade digna de ser capital do Império português. Dentre as inúmeras propostas decretadas por ele, esteve a fundação da primeira imprensa da colônia. A Imprensa Régia, fundada em 1808. E no dia 10 de setembro do dito ano, fora publicado o primeiro jornal do país, a Gazeta do Rio de Janeiro, numa edição de quatro páginas; sendo neste caso, neste trabalho só transcrevi a primeira página. A Gazeta fora o primeiro passo para a história da imprensa brasileira.


GAZETA do RIO de JANEIRO

1ª Edição – Página I
SÁBADO 10 de SETEMBRO de 1808

Doctrina sed vem premoset insiam,
Recaique cultus pectera roberant.

Horat. Ode III. Lib. IV


Londres 12 de Junho de 1808.
Noticias vindas por via de França.

Amesterdão 30 de Abril.
Os dois Navios Americanos, que ultimamente arribarão ao Texel, não podem descarregar as suas mercadorias, e devem imediatamente fazer-se á véla sob pena de confiscação. Isto tem influído muito nos preços de vários gêneros, sobre tudo por terem hontem recebido cartas de França, que dizem, que em virtude de hum Decreto Imperial todos os Navios Americanos serão detidos logo que chegarem a qualquer porto da França.

Noticias vindas por Gottenburgo.
Chegárão-nos esta manha folhas de Hamburgo, e de Altona até 17 do corrente. Estas últimas annuncião que os Janizaros em Constantinopla se declarárão contra a França, e a favor da Inglaterra; porém que o tumulto se tinha apaziguado. ----- Hamburgo está tão exhaurido pela passagem de tropas que em muitas casas não se acha já huma côdea de pão, nem huma cama. Quasi todo o Hannover se acha nesta deplorável situação. ---- 50000 homens de tropas Francezas, que estão em Itália, tiverão ordem de marchar para a Hespanha.

Londres a 16 de Junho.
Extracto de huma Carta escrita a bordo de Staxira.
“Segundo o que nos disse o Oficial Hespanhol, que levámos a Lord Gamböer, o Povo Hespanhol faz todo o possível sacodir o jugo Francez. As Províncias de Astúrias, Leão, e outras adjacentes armárão 80000 homens, em cujo o numero se comprehendem vários mil de Tropa regular de tanto de pé, como de Cavallo. A Corunha declarou-se contra os Francezes, e o Ferrol se teria igualmente sublevado a não ter hum Governador do partido Francez. Os Andaluzos, nas visinhanças de Cádiz, tem pegado em armas, e destes ha já 60000, que são pela maior parte Tropas de Linha, e commandados por hum hábil General. Toda esta tempestade se originou de Bonaparte ter declarado a Mutar Regente de Hespanha. O espírito de resistência chegou a Carthagena, e não duvido que em pouco seja geral por toda a parte. Espero que nos mandem ao Porto de Gijon, que fica poucas léguas de Oviedo, com huma suficiente quantidade de pólvora, 800. pois do sucesso de Hespanha depende a sorte de Portugal. A revolta he tão geral, que os habitantes das Cidades guarnecidas por Tropas Francezas tem pela maior parte ido reunir-se nas montanhas com os seus Concidadão revoltados.”


NOTA: O grande motivo que levou a vinda da Corte portuguesa para o Brasil, fora a ameaça das tropas francesas do imperador Napoleão Bonaparte de invadir Portugal.
NOTA 2:
Neste caso, nesta noticia, o jornalista mostra como países como Espanha, Portugal, e até mesmo outras cidades européias, no caso Constantinopla estavam se unindo com a Inglaterra para se combater a França.
NOTA 3:
Napoleão governou o Império Francês de 1804-1814, e depois em 1815 por alguns meses, até ser derrotado na batalha de Waterloo contra os ingleses, e ser condenado ao exilio na ilha de Santa Helena.

Fonte da imagem:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Gazeta_do_Rio_de_Janeiro_1808.png

LINK:
http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_periodicos/gazeta_rj/gazeta.htm



2 comentários:

peru em jampa disse...

ei menino! o primeiro jornal não foi o correio brasiliense não?? eu estava então equivocado! valeu leandro, sempre com postagens no minimo interessantes!

Leandro Raliv disse...

De fato o Correio Brasiliense passou a circular em junho de 1808, porém ele era produzido em Londres e não no Brasil, já que por lei era proibido a impressão de qualquer material de texto na colônia. O jornal tinha cirucalação na Inglaterra e Portugal. Com isso a Gazeta do Rio de Janeiro é oficialmente o primeiro jornal do Brasil, a ser não apenas fundado em solo brasileiro, mas também de informar os brasileiros.